menu

Lean Christmas

Por

Esse último natal me fez lembrar de conceitos como o “último momento responsável“, velocidade de execução e ainda sobre levantamento de requisitos. Vou explicar um pouco com uma pequena história, bora lá:

Tenho um filho de três anos e meio. Em meados de novembro ele fez uma lista para o Papai Noel em que pedia vários personagens dos Tartarugas Ninja. Leonardo, Donatelo, Mestre Splinter e alguns inimigos (porque sem inimigos não daria para lutar, esclareceu ele. Só daria para treinar) 🙂

E assim se fez: pedi para meu irmão que mora fora do Brasil comprar os personagens e mandar pelo correio. Mas aconteceu que estávamos cada vez mais próximos do Natal e nada de chegarem as Tartarugas, mesmo tendo sido postagem via aérea.

— Vamos esperar mais um pouco — dizia minha esposa — ainda tenho esperanças que o correio vá entregar.

O tempo passou até que finalmente chegamos à conclusão de que o momento era crítico e o risco do Papai Noel chegar e entregar os presentes para a criançada e o pequeno ficar “a ver navios”, tomamos a decisão de ir comprar nós mesmos o presente. Isso foi na segunda-feira, dia 23 de dezembro.

Levamos meu filho à loja de brinquedos e procuramos pelas Tartarugas Ninjas, e, pasmem, ele nem deu bola quando viu! O que ele queria agora era o Capitão América e o Thor. E as Tartarugas? Desencanou total!

Na loja, achamos rapidamente um Capitão América dentro do valor que tínhamos. Queríamos achar um Thor também do mesmo tipo, mas nada de achar o bendito Thor. Até que achamos um, o último da fileira de brinquedos. Bingo!

Ao chegar o Papai Noel, meu filho corre para ele e diz:

— Papai Noel, Papai Noel, quero um Capitão América e um Thor!

Ufa, em um dia e meio ele não tinha mudado de ideia — Natal Feliz para nós 😉

Se você ainda não relacionou a pequena história real acima com os conceitos citados logo no começo, vou explicar:

Último momento responsável é a ideia de que existe um momento ideal, em que temos o máximo possível de informações para que a tomada de decisão seja a mais embasada possível, e ainda existe tempo suficiente — mas mínimo — para executar a decisão tomada. Vejam que quanto maior for a velocidade de execução, mais tarde pode-se firmar uma decisão, pois menor será o tempo necessário entre a decisão e o resultado obtido da execução.

No caso do meu filho, fomos capazes de executar rapidamente a decisão tomada, mas é bom ficar atento, pois nem sempre é o caso. Veja o filme “Last Action Hero” se quiser entender o que é passar do momento correto.

O que acontece em geral nos projetos é que somos pouco capazes de executar rapidamente, ainda mais quando fazemos algo em um grande lote como em um projeto tradicional de escopo fechado. Nesses, os requisitos precisam ser levantados de antemão e serão entregues apenas no final do projeto.

Seria como comprar em janeiro o que seu filho quer ganhar no Natal e esperar que os requisitos não mudem até lá. Poderíamos, claro, criar um “Change Control Board” para decidir os impactos dessa mudança, mas esse é assunto para outra conversa 😉

Os clientes não mudam (tanto) os requisitos, nós é que escrevemos os requisitos cedo demais e demoramos muito para transformá-los em software.

Mary Poppendieck, em seu bom livro “Implementing Lean Software Development from Concept to Cash” (Implementando Desenvolvimento de Software Lean do Conceito ao Faturamento) diz algo parecido:

“Requirements churn is a symptom of writing (and detailing) requirements too early” (Mudanças constantes de requisitos é um sintoma de se escrever (e detalhar) os requisitos muito cedo)

Feliz ano novo para todos e lembrem-se dessas dicas no próximo natal (ou próximo projeto). 😉

About the author: Leonardo Campos

Leonardo Campos trabalha na área de TI desde 2000, atuou boa parte deste tempo como desenvolvedor Java, mas também desenvolveu profissionalmente com Ruby, .NET, VB, PHP e ASP. Desde do começo de 2009 vem atuando com Agile e hoje trabalha na ThoughtWorks Brasil. É estudioso de processos e entusiasta de Lean e Agile, sendo um dos organizadores do Lean Coffee São Paulo e editor da InfoQ. Leonardo é advogado por formação (Universidade Presbiteriana Mackenzie).
LinkedIn
@leonardocampos

1 comment

  1. Pingback: Falhar é humano: Será também uma vantagem competitiva? | Kudoos

Leave your reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Go to top