menu

Está pronto ou não está? – Dilema de projetos de software

Por

Quando você pede um lanche no McDonald’s e a atendente diz pra você: “Está pronto”, você simplesmente pega sua bandeija e vai para sua mesa comer seu lanche. Certo? Neste exemplo a palavra “pronto” induz que está adequado para consumo imediato.

Isso não acontece em outros lugares, como em projetos de software, por exemplo. Por que será?

Indo direto ao ponto, isso não acontece em software porque as métricas de acompanhamento e controle, geralmente adotadas, são erradas ou altamente quebradiças e possibilitam má interpretação em toda cadeia e para todos os interessados.

Há o pronto para a equipe de desenvolvimento, que não enxerga o período de refinamento de testes e ajustes (por trabalharem em cascata e não em iterações, não há um “pronto” da equipe, mas “prontos” de vários grupos de trabalho); Há o pronto dos testes, que não leva em consideração o tempo para transferir o sistema de homologação para produção; Há o pronto de produção, que não leva em conta os documentos e manuais necessários que o cliente vive falando que são importantes…. E nesta inconsistência toda existe o gerente de projetos que, sem experiência e sob pressão, tem espaço e apoio para dizer que hora está pronto e hora não está, dependendo da conveniência.

Apesar de estarmos comparando coisas bem distintas (uma linha de produção de hamburguer, com um trabalho intelectual) é possível ter um entendimento comum do que é estar pronto! Que sempre precisa ser visto através da perspectiva do cliente, que é quem realmente consome o produto. 

A medida primária de progresso, em desenvolvimento de sistemas, é software funcionando em produção de forma iterativa, incremental e sendo utilizado pelo cliente. Nada além disso é medida confiável de progresso. Por isso as práticas ágeis investem tanto em trazer todo o ciclo de vida tradicional de um software para iterações rápidas, com participação e validação de todos, inclusive do cliente real.

Em inglês há um termo mais adequado para representar o pronto para entrega total. Eles usam shippable, ou seja, está pronto a ponto de tirar a mão, pegar o produto, colocar em um navio e enviar?!! Não é necessário fazer mais nada referente à entrega?

Parece uma forma melhor de enxergar as coisas.

Abs,
Buzon


Referências:
http://www.infoq.com/news/2008/02/done-shippable-quality
http://www.scrumalliance.org/articles/107-how-do-we-know-when-we-are-done
http://www.scrumalliance.org/articles/105-what-is-definition-of-done-dod

 

2 comments

  1. Pingback: Escopo negociável – Já experimentou? | Kudoos

  2. Pingback: Medida primária de progresso em software – Case pessoal | Kudoos

Leave your reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Go to top